sexta, junho 01, 2018 07:20

Archive for Janeiro, 2015

Khepri

terça-feira, Janeiro 27th, 2015

khepri3

Khepri (“Aquele que veio a existir por si mesmo“, também chamado Kheper, Khepera, Khepra, Khepre, Khepere, Chepri, Khephir) é um deus egípcio associado com o escaravelho ou besouro (Scarabaeus sacer), cujo comportamento de ficar carregando bolas de estrume é comparado pelos egípcios às forças que fazem o sol se mover. Com o tempo, Khepri passou a ser considerado um aspecto do próprio Sol, em especial, o sol ao nascer do dia – quando “voltava do submundo”. Ele era intimamente associado com Atum (o deus criador), Nefertum(literalmente “jovem Atum” ou “belo Atum”) e (que absorveu muitos dos atributos de Atum). Khepri era o sol surgindo, Nefertum representava o novo sol nascendo, Rá era o sol durante o dia, e Atum representava o sol poente.

Khepri também era associado aos conceitos de renascimento, renovação e ressurreição, pois os antigos egípcios acreditavam que escaravelhos eram auto-criados a partir de matéria morta.  Essa crença surgiu devido ao fato dos escaravelhos fêmea depositarem seus ovos nos corpos de animais mortos, incluindo outros escaravelhos, e também em esterco. Quando prontos, esses ovos eclodiam e novos escaravelhos nasciam, dando a entender que eles surgiam do nada.
3518483_orig   khepri_by_dragonflysly-d5adwfk
Khepri é geralmente representado como um escaravelho, mas ocasionalmente aparece como um homem com a cabeça de um escaravelho. Existem inúmeras representações de Khepri empurrando o sol e ele também aparece regularmente em um ambiente funerário montado na barca solar de Rá enquanto o mesmo viaja através do submundo. Por causa de sua ligação com o renascimento e o submundo, ele ocasionalmente usa a coroa Atef de Osíris.

Nenhum templo ou culto especificamente dedicado a Khepri foi descoberto até hoje, mas acredita-se que a maioria dos templos egípcios (possivelmente todos) tinham uma estátua de Khepri dentro deles. O amuleto em forma de escaravelho era um dos símbolos mais populares do Egito,  e escaravelhos eram  usados em muitas ocasiões, e não apenas para o uso em mumificação, confirmando que ele era popular entre as pessoas comuns. Os escaravelhos destinados aos mortos eram confeccionados com muito realismo, em pedra dura e colocados no lugar do coração, no peito das múmias, às vezes, incrustados numa moldura retangular. Estes amuletos já foram encontrados até no peito de certos animais tidos como sagrados pelo povo egípcio.

 

 

Hidebehind

sábado, Janeiro 3rd, 2015

3edf4bfcbe7d2c9a5c46d62894e10e37    Hidebehind

 

Hidebehind é uma misteriosa criatura noturna pertencente ao folclore americano. Diz a lenda que ele devora seres humanos que vagueiam em florestas durante a noite, e é creditado pelo desaparecimento de vários madeireiros durante o período colonial dos Estados Unidos.

O Hidebehind foi primeiramente citado no “Livro dos Seres Imaginários” de Jorge Luis Borges, que o descreve como um animal grande e poderoso, apesar do fato de que ninguém até hoje foi capaz de ver algum graças a sua excepcional capacidade de camuflagem. Quando sua presença é notada, o hidebehind se esconde de imediato atrás de um objeto (geralmente uma árvore) ou atrás da própria presa, de uma forma que se torna virtualmente impossível de ser visto. Desta forma, ele consegue perseguir presas humanas sem ser notado e as ataca sem chance de defesa. Após matar seu alvo, o Hidebehind o arrasta  para seu covil e o devora.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jenny Greenteeth

quinta-feira, Janeiro 1st, 2015
Jenny_Greenteeth_1_CommonJenny Greenteeth é uma lendária bruxa presente no folclore inglês. Segundo as lendas, ela assombra os rios e lagos da Grã-Bretanha, escondendo-se na água em meio ao musgo á espera de uma vítima para capturar e devorar debaixo d’água.
Segundo a crença popular, Jenny Greenteeth tem a pele verde clara; cabelo negro escorrido; dedos longos e ossudos; unhas sujas e afiadas; e dentes afiados, podres e verdes. Á primeira vista, seus cabelos parecem ser apenas um monte de ervas escuras amontoadas na água, mas depois aparecem dois olhos amarelos, como os de um sapo, á sua espreita. Se não houver cuidado, ela vai se aproximando, cada vez mais próxima a você. Depois ela coloca seus longos dedos ossudos para fora da água, que te agarram e te levam para dentro d’água. Então ela te devora em meio á profundidade escura do lago.
A lenda parece ser do tipo de lendas usadas para assustar crianças e evitar que se aproximem da margem das águas, como as Rusalki da mitologia eslava, o Kappa da mitologia japonesa ou o Bunyip na mitologia australiana. Porém alguns folcloristas a consideram uma memória da prática do sacrifício. Há uma cantiga que diz:
“Venha para dentro d’água se banhar, querido
Venha nadar na piscina de redemoinhos
Abaixo nas profundezas com as pedras e os ossos
Você irá nadar comigo agora, seu tolo”
x_jenny_green_teeth  jenny_greenteeth___watery_grave_by_gregbo-d4qlusl
Seu nome varia conforme a região do país: em Lancashire é chamada de Jenny Greenteeth, em Cheshire e Shropshire de Ginny Greenteeth, Jeannie Greenteeth, Wicked Jenny, ou Peg O’Nell. Na Irlanda, há uma variação da lenda na qual a chamam de “Bean-Fionn”, que aparece como uma bela mulher vestida em um longo vestido branco, que ataca crianças e adultos imprudentes, os captura e afoga nas profundezas escuras dos lagos irlandeses.

Tartalo

quinta-feira, Janeiro 1st, 2015

tartalo (1)

Tartalo (ou Tartaro) é um personagem da mitologia basca, que é um gigante enorme e forte com um só olho, similar aos ciclopes da mitologia greco-romana. Embora aqueles sejam os nomes mais usuais atualmente, dependendo das épocas e lugares, também foi chamado Torto, Tartare, Anxo (ou Antxo) ou Alarabi, embora estes últimos dois nomes possam designar outras figuras distintas.
Origens
A origem do nome de Tartalo e das suas variantes é desconhecida. Apesar de ter-se mantido até à atualidade na tradição basca, não é certo que a sua origem seja basca, e é provável que a tradição não se tenha circunscrito aos limites atuais daquela região. Sabe-se da existência dum personagem de nome Tartari para lá da Gasconha, margem direita do Garona, no Agenense. Trata-se sempre dum ogre ou dum personagem maléfico e havia uma expressão popular «mau como Tartari». Em alguns contos, o ogre chama-se Tartari e a sua mulher Tartarino. Segundo o historiador e folclorista Jean-François Bladé (1827–1900), alguns camponeses chamavam Tartari ao diabo negro que leva Polichinelo para o teatro de marionetas Especula-se também que o seu nome possa derivar do nome do deus grego do mundo inferior Tártaro.

 

torto

Características
As características e as aventuras que se lhe atribuem correspondem em grande medida às do ciclope Polifemo da mitologia grega. Como este, Tartalo vive numa caverna, cria ovelhas e devora os homens que consegue apanhar até que ao dia em que um dos seus prisioneiros, mais astucioso que ele, se escapa rebentando-lhe o olho e escondendo-se entre as ovelhas. As suas outras aventuras são essencialmente do tipo do ogre enganado.
Na tradição basca, um dos seus opositores é frequentemente um rapazinho esperto chamado Mattin Ttipi (“Pequeno Martinho”), ou Mattin Txirula (“Martinho tocador de txistu” [flauta]), muitas vezes considerado como “doido” ou “imbecil”, mas cujos atos desmentem o sentido habitual destes termos, e marcam a sua “diferença” com o comum dos seus contemporâneos. O estudioso de contos tradicionais do País Basco Wentworth Webster (1828–1907) via certos detalhes dos contos, como o anel falante que ele oferecia às suas vítimas potenciais, como sendo temáticas celtas.
Tartalo faz parte dum grande número de ciclopes que se encontram nas tradições de toda a cadeia dos Pirenéus e nos Alpes (Bécut, Ulhart, etc.). Há diversos lugares das montanhas bascas que têm o nome de “habitação de Tartalo” (Tartaloetxeta).
Algumas versões de contos, provavelmente mais recentes, tendem a confundir Tartalo com outras figuras mitológicas bascas, como o Basajaun (“senhor da floresta”) ou um lamina (plural laminak, anões com carcaterísticas variadas).
Um dos contos de Tartalo
Um dia, enquanto dois irmãos do baserri de Antimuño caçavam, foram apanhados por uma tempestade, pelo que decidiram refugiar-se da chuva numa gruta, que era a de Tartalo. Pouco depois, Tartalo chegou com o seus rebanho de ovelhas e quando viu os dois irmãos disse: “um para hoje e o outro para amanhã”.
Nesse mesmo dia, ele cozinhou e comeu o irmão mais velho e depois foi dormir. Enquanto estava a dormir, o irmão mais novo roubou o anel de Tartalo e espetou o espeto de assar no único olho do gigante. Tartalo ficou cego mas não morreu, e começou a procurar o rapaz entre as suas ovelhas, mas este tinha-se coberto com uma pele de ovelha e fugiu. Mas quando saiu do rebanho, o anel acusador começou a gritar: “Eu estou aqui! Eu estou aqui!”.
Tartalo saiu da sua caverna e começou a correr atrás do anel, ouvindo os seus gritos. O rapaz não conseguiu tirar o anel, por isso quando chegou à beira de um precipício cortou o dedo, e como o gigante estava perto, decidiu atirá-lo ao precipício. Seguindo os gritos do anel, Tartalo caiu pelo precipício abaixo.
Tartalo-dcm