sexta, maio 18, 2018 08:42

Archive for Maio, 2009

Thunderbird

domingo, Maio 31st, 2009

the_great_thunderbird_by_sangel99-d3h5qdc-2-1024x646

 

Thunderbird (Pássaro Trovão) é uma enorme criatura alada, supostamente maior do que um condor, e sobre o qual muitas tribos nativas americanas compartilham uma lenda comum. O nome do thunderbird vem da crença comum de que o bater de suas asas enormes causa o trovão e agita o vento, propiciando tempestades, e entre o abrir e fechar os olhos luzem faíscas contorcidas.
A lenda
Os índios do noroeste dizem que os Thunderbirds acompanham os temporais e que relâmpagos saem de seus olhos. Foi dito também que eles se alimentam de baleias assassinas. Os índios Miami chamavam-no de Piasa, ou “devorador de homens” e acreditavam que as aves exigiam sacrifícios ou atacariam toda a comunidade.
Os Thunderbirds também eram vistos como uma espécie de energia positiva que atacava monstros. Os índios Ojibway do Lago Superior (um dos 5 maiores lagos do mundo), dizem que uma vez um Thunderbird lutou contra Mishipishu, uma cobra semelhante a um monstro do lago. O Thunderbird ganhou a batalha e, conforme ele levava a serpente embora com suas garras, um estrondo de trovão e luzes marcou o evento. Os Iroquois, no entanto, viam o Thunderbird como o guardião de fogo. Em suas histórias havia também um Thunderbird chamado Oshadagea, ou “Águia Orvalho“, e quando os malignos espíritos de fogo atacavam a terra, a Águia Orvalho voava sobre as chamas, e o orvalho de suas costas apagava as chamas e tornavam a terra fértil novamente.

Em certa ocasião o sioux John (Fire) Lame Deer contou sobre os Thunderbirds e disse acreditar que eles migraram para as partes mais distantes da terra, descontentes com a civilização suja e impura dos brancos. Os Sioux chamam as aves deWakinyan Tanka. Lame Deer descreveu os Thunderbirds como criaturas das quais as vozes são o trovão e o pequeno burburinhos do trovão são as vozes de seus filhos. Eles são uma espécie de fantasma, com com corpos imateriais. Houve um tempo em que o Wakinyan Tanka, lutando em favor dos seres humanos, combateu o maligno monstro chamado Unktehila. A guerra irrompeu sobre a Terra por muitos anos, até que finalmente Wakinyan Tanka triunfou.
Thunderbird_on_Totem_Pole
Alguns avistamentos

Em abril de 1890, dois cowboys do Arizona conseguiram supostamente matar uma criatura semelhante a um pássaro gigante, com uma enorme envergadura . Dizia-se que ele tinha a pele lisa, sem penas e com asas de morcego. Seu rosto parecia o de um jacaré. Curiosamente , esta descrição tem mais de uma semelhança superficial com o pterodáctilo pré-histórico. Eles arrastaram o cadáver de volta à cidade , e o prenderam , com as asas estendidas por todo o comprimento de um celeiro. Supõe-se que existe um retrato deste evento, que pode ou não ter sido publicado no jornal local, o Epitaph Tombstone. Apesar das inúmeras pessoas que afirmaram terem visto esta fotografia recentemente, ninguém jamais foi capaz de produzir uma cópia da imagem nem fazer corroboração histórica que este evento tenha ocorrido, ou seja, provavelmente é somente mais uma lenda urbana.

Houveram também avistamentos mais recentes de supostos thunderbirds. Nos anos 60 e 70, avistamentos de um grande pássaro do tamanho de um avião Piper Cub foram relatados em Washington, Utah e Idaho. Nestas ocasiões, estes avistamentos foram acompanhados de rastros de pegadas e outras supostas provas.

Em 25 julho de 1977, Marlon Lowe, de 10 anos de idade, estava brincando de esconde-esconde com seus amigos quando um grande pássaro agarrou-o pela camisa , levantando-o no ar. Conforme Marlon gritava por sua mãe, o pássaro continuou a levá-lo por cerca de 12 metros antes de deixá-lo cair. Na época, Marlon pesava cerca de 60 quilos. No início, acreditava-se que a ave era um urubu, mas depois que sua mãe fez uma pesquisa na biblioteca, ela encontrou o pássaro que havia atacado seu filho, um pássaro preto com um anel branco na base do seu pescoço, um Condor da Califórnia.

Em outubro de 2002, houveram nas aldeias de Togiak e Manokotak, no Alasca, relatos de um pássaro com uma envergadura de 4,3 m. Embora o tamanho real fosse difícil de se medir a partir do solo, as testemunhas ficaram abaladas. Um piloto o viu também a partir de uma distância de apenas 1.000 pés durante o vôo de seu avião. “As pessoas no avião viram ele“, disse o piloto John Bouker. “Ele é enorme, ele é enorme, ele é muito, muito grande. Você não gostaria de deixar os seus filhos lá fora.
Teorias

Alguns criptozoologistas teorizaram que mito do thunderbird surgiu com base na observação de um animal real cuja a população diminuiu nos últimos tempos. Inicialmente, essa teoria foi motivo de escárnio por parte dos céticos, que afirmavam que uma ave tão grande não seria capaz de voar. Mas isso não está fora do reino da possibilidade.

O pré-histórico Teratornis incredibilis, um animal semelhante a um abutre, possuía uma envergadura entre 5 m até 7 m (16 a 24 pés) e acredita-se que ele era capaz de voar. Criptozoologistas também postulam que os thunderbirds eram associados com as tempestades porque eles seguiram os rascunhos para permanecerem em vôo, não muito diferente de uma águia moderna águia pegando carona em correntes de ar. O notável criptozoologista John Keel afirmou ter mapeado vários avistamentos de thunderbirds e descoberto que eles correspondiam em ordem cronológica e geograficamente ao deslocamento de tempestades através dos Estados Unidos.

Ushi-Oni

sábado, Maio 2nd, 2009

UshiOni

Ushi-oni significa, literalmente, boi-demônio. Oni é a palavra em japonês para demônio, mas na verdade o oni representa tudo que é misterioso e estranho. As descrições sobre Ushi-oni são diversas. Uns dizem que ele se assemelha a um boi com a cabeça de um ogro e nariz vermelho parecido com o do Tengu. Contam às lendas que a noite, ele visita os celeiros onde os bois são alojados, lambe os corpos dos animais para depois lutar com eles. Raramente é notado, pois seus passos são silenciosos e seus chifres são moles como se fossem de borracha, que não fazem barulho quando atingem as paredes.

 

 

No vale Mino, a lenda fala de um ushi-oni com cabeça de gato, o corpo de boi amarelo e com manchas pretas, e uma cauda de dez metros. Embora algumas vezes ele seja retratado sem maldade, muitas vezes ele é representado como um monstro terrivel, sendo, nos contos infantis o equivalente ao bicho-papão ocidental. Dizem que ele vive na água, e que matá-lo ou cultivar algum ressentimento (ou, em algumas versões, apenas olhar diretamente para ele) por ele pode levar a alguma doença, e até à morte. Dizem também que ele entra nos celeiros para lamber os corpos dos animais e lutar contra eles depois. Ele não é notado muitas vezes, pois seus chifres são moles e não fazem barulho e seus passos são silenciosos. Dizem também que o ushi-oni sai da água na forma de uma mulher carregando um bebê, que seria outro ushi-oni filhote, pedindo desesperadamente para que alguém o levasse. Quando um desavisado pegava o bebê, ele se tornava pesado, assim retardando a pessoa e dando a oportunidade de o ushi-oni atacar. O bijū Hachibi, de Naruto, selado no personagem Killer Bee, é uma referência ao ushi-oni.
Ushi-Oni-buchi

Ushi-oni mostra um raro lado bom:
Na província de Miogawa (三尾川谷), um jovem chamado Matanosuke Ueda (上田又之助), compartilhou seu almoço com uma moça que apareceu do nada exigindo que ele dividisse sua comida. Prontamente o rapaz lhe obedeceu, saciando a fome da moça que lhe gradeceu e, repentinamente sumiu tão rápido como lhe surgiu. Mais tarde, Matanosuke estava sendo tragado por uma inundação devastadora e preste a morrer, Ushi-oni-moça apareceu e tomou a sua forma verdadeira, a fim de resgatá-lo. Em seguida, ela revelou que não podia continuar a viver por ajudar um ser humano. Logo após essa declaração, ela dissolveu em uma poça de sangue e desapareceu no rio. Devido a esse ato raro de bondade, o povo da província de Miogawa, acreditam que essa Ushi-oni era realmente fêmea e mantinha sentimentos amorosos pelo rapaz.
Existem mais variedades em suas retratações e lendas. Até mesmo um corpo de aranha é comumente descrito na forma desse monstro. Tais variedades de lendas e, em diversas Províncias e Cidades, fazem do Ushi-oni uma das lendas mais populares do Japão.

 

Algumas variedades de suas descrições e lendas:
O Ushi-oni é freqüentemente encontrado no folclore japonês como uma criatura aquática que mora no mar ou em lagos das montanhas. As histórias sobre ele são contadas principalmente nas regiões de Shikoku, Kinki e Chugoku. Este monstro é conhecido pelo seu temperamento feroz! Matá-lo ou cultivar algum ressentimento por ele, dizem que pode levar a pessoa à morte e propagar maldições sobre sua família.
Muitas das lendas de Ushi-oni habitando em poços e cachoeiras, são provenientes da Província de Kumano (Atualmente distritos de Nishimuro e Higashimuro). As massas de água são frequentemente chamadas de “Ushi-oni-fuchi” ou “Ushi-oni-taki”.
No Vale de Mino (箕尾谷), na Vila de Oto (大塔村), dizem que existe um Ushi-oni com a cabeça de um gato, corpo bovino de cor amarela com manchas pretas, e uma cauda de dez metros de comprimento. Dizem que se uma pessoa tiver a infelicidade de apenas olhar esse monstro, pode ficar doente e chegar até mesmo vir a falecer.
Em Esumi (江住), existe uma cachoeira que é conectada ao oceano. A lenda de Esumi conta que quando a água fica barrenta, aconselham a não ir ao lugar, o risco de esbarrar com a besta é dado como quase certo. Dizem que seus gritos podem ser ouvidos a noite em todos os dias 23 de cada mês.
Na província de Hirose (広瀬谷) na Cidade de Susami (すさみ町), há uma cachoeira chamada Kotonotaki (琴の滝). Dizem que a besta que habita o local, mata as pessoas devorando suas sombras. No entanto, o Ushi-oni ama bebida (uns dizem que gostam de sake e outros de pagu ardente), e oferecê-lo em sua homenagem nas noites de Ano Novo pode proteger uma pessoa de ter sua sombra devorada pela criatura.
A região de Uwajima na Prefeitura de Ehime, é famosa por seu desfile de carros alegóricos esculpidos com cabeças de madeira. Existem várias lendas sobre o Ushi-oni. Uma delas alega que eles veneram uma criatura morta por um arqueiro da Província de Iyo (Antigo nome da Prefeitura de Ehime), e outra que foi inventada para assustar os “Tigres do Sul” durante a guerra Imjin.
Outra famosa lenda de Ushi-oni, é contada na província de Negoro-ji (根香寺), Cidade de Takamatsu (高松市), Prefeitura de Kagawa. Esse Oshi-oni tem uma forma diferenciada das demais lendas. Sua forma é descrita como sendo bípede (anda somente sobre duas patas) e cabeça de boi com dentes enormese retorcidos para fora da boca. Dizem que ele tem uma membrana entre os pulsos e axililas, como um esquilo voador. A lenda conta que foi abatido perto de um templo a cerca de 400 anos atrás por Yamada Kurando Takakiyo (山田蔵人高清) Um guerreiro especialista em arco e flecha. Depois que Yamada matou o monstro, tirou seus chifres e deu para o Templo Negoro-ji, junto com uma imagem que ele pintou de si mesmo, aos quais ainda encontram-se até os dias de hoje entre os tesouros do Templo.
Lendas de Ushi-oni tomando a forma de mulher:
Existem lendas sobre Ushi-oni que tomava a forma de mulheres jovens na Cidade de Koza Nishimuro (古座町).
Uma das lendas conta que um Ushi-oni apareceu em forma de uma bela jovem no Monte Kasane (重畳山), em resposta ao som da flauta de um jovem caçador. O pobre jovem entrou em pânico quando viu a verdadeira forma de Ushi-oni refletida em um córrego e atirou nela. No dia seguinte, a maldição dos Ushi-oni’s foi lançada! O jovem caçador enlouqueceu e nunca mais voltou ao normal.
Junto às costas do Norte Kyushu e San’in, “Regiões costeiras adjacentes ao mar do Japão”, acredita-se que os Oshi-oni’s habitam esse oceano. Dizem que sai do mar transfigurado em forma de uma mulher. Aparece com uma criança nos braços (outro Oshi-oni-criança) pressionando os transeuntes, implorando-lhes para levar a criança e dar-lhe algo para comer. Quando ingenuamente a pessoa vai carregando a criança, esta torna-se extremamente pesada como pedra – uma artimanha do Ushi-oni com o intúito de impedir os movimentos da infeliz pessoa, dando a Ushi-oni a oportunidade para atacar.